Aprenda como analisar o Ciclo Financeiro da sua empresa

Autor:

Para empreendedores que pretendem otimizar o ciclo financeiro da sua empresa, saber sobre a diferença entre vários ciclos e como estes funcionam é fundamental nesse processo.

Afinal de contas, o que é ciclo financeiro?

O ciclo financeiro, também chamado de ciclo de caixa, é a duração necessária para uma empresa converter o seu capital em produto ou serviço vendido. Nesse processo, a matéria-prima é transformada em produto final, que é vendido e, assim, o valor de venda se converte em receita para o empreendimento, recomeçando o ciclo. 

Essa transformação é dividida em 3 partes principais, de acordo com o estado da matéria-prima: 

  1. Primeiro, tem-se a aquisição de mercadorias por meio de terceiros. O ciclo financeiro começa no ato de pagamento dos fornecedores.
  2. Em seguida, essa matéria inicial sofre as transformações necessárias para se tornar o produto final que a empresa quer vender.
  3. Por fim, esse produto fica estocado até sua venda, quando, então, retorna para o empreendimento em forma de capital.

           Além disso, pode-se destacar que o valor das despesas dessa transformação – matéria-prima a artigo final – deve ser embutido no preço do produto final, para que o empreendimento não tenha mais despesa que receita. Nesse sentido, é imprescindível que o negócio saiba fazer um planejamento orçamentário.

           Em termos técnicos, seria o tempo do processo de pagamento de fornecedores e saídas de caixa para a obtenção da mercadoria que inicialmente será estoque, até o recebimento de vendas dos produtos advindos dessa matéria, que entra no caixa. Para entender mais, leia sobre as demonstrações contábeis e sobre o fluxo de caixa!

Porque ele é tão importante para o seu negócio?

O ciclo financeiro vai explicitar de maneira mais quantitativa qual a situação da empresa. Esse estudo pode ser utilizado para melhorar sua gestão de estoque, conseguindo analisar qual fase do processo está ocupando um tempo demasiado, bem como procurar aprimorar a administração do capital de giro da empresa.

           Ao se tratar do capital de giro – valor que uma empresa possui para custear e manter suas despesas operacionais durante um certo período – deve-se abordar que, com essa compreensão maior acerca do ciclo financeiro da sua empresa, mais fácil será de visualizar como alocar o capital de giro da melhor maneira possível. Quanto menor o ciclo, mais rápido será o retorno financeiro, pois os produtos irão vender com uma maior velocidade.

Ciclo Econômico

O ciclo econômico, diferentemente do ciclo financeiro, já se inicia com a aquisição da matéria-prima, no momento de compra. Além disso, não inclui o recebimento sobre a venda do produto final. 

Assim, esse ciclo contabiliza apenas o período em que o artigo está dentro do estoque da empresa. Em suma, o Ciclo Econômico (CE) equivale ao valor do Prazo Médio de Estocagem (PME), que será melhor explicado posteriormente.

Confira a postagem sobre tesouraria para conhecer mais acerca de ferramentas que podem te ajudar a possuir um maior controle de seus estoques.

Ciclo Operacional

No que concerne o ciclo operacional, este se caracteriza como o intervalo de tempo ocupado pela empresa para realizar todo o processo operacional. Assim, começa com a compra da mercadoria inicial – ciclo operacional – até o recebimento da venda do produto final.

O Ciclo Operacional (CO) pode ser calculado da seguinte forma:

Cálculo Financeiro Ciclo Operacional (PO)
Cálculo Financeiro Ciclo Operacional (PO)

Onde,

PME = Prazo Médio de Estocagem (veja a explicação no próximo tópico);
PMR = Prazo Médio de Recebimento (veja a explicação no próximo tópico).

Sob esse viés, entende-se que o ciclo operacional é apenas a junção dos ciclos, econômico e financeiro, explicados acima.      

Ciclo Financeiro Operacional (CO)
Ciclo Financeiro Operacional (CO)

Veja como realizar o cálculo

Para o cálculo do ciclo financeiro você precisará saber apenas qual o seu ciclo operacional e, desse valor, deduzir o Prazo Médio de Pagamentos (PMP), que será melhor explicado a seguir.

Sendo assim,

Cálculo do Ciclo Financeiro
Cálculo do Ciclo Financeiro

Onde, CF = Ciclo Financeiro, valor que queremos encontrar;
CO = Ciclo operacional, calculado pela fórmula acima;
PMP = Prazo Médio de Pagamentos (veja a explicação no tópico abaixo).

Mas e os prazos médios?

Os prazos médios são indicadores que representam o período médio de cada etapa do processo operacional. Esses prazos indicam em quanto tempo, em média, a empresa adquire os recebimentos de clientes, realiza o pagamento de terceiros, e assim por diante.

Prazo Médio de Estocagem (PME)

O Prazo Médio de Estocagem (PME), também chamado de Prazo Médio de Renovação do Estoques (PMRE), representa o tempo médio de armazenamento de produtos.

O PME pode ser calculado utilizando a fórmula:

Ciclo Financeiro Prazo Médio
Ciclo Financeiro Prazo Médio

Onde,

EM = Estoque Médio, média aritmética entre o valor do estoque no período anterior (ou período inicial) e o valor do estoque atual (ou final).
CMV = Custo da Mercadoria Vendida, ou Custo do Produto Vendido (CPV), representa o custo de aquisição dos estoques, ou gastos com a produção, para o caso de indústrias. Esse valor é dado por: 

Ciclo Financeiro Calculo Custo da Mercadoria Vendida
Ciclo Financeiro Calculo Custo da Mercadoria Vendida

No cálculo do CMV, o termo “Compras” se refere a todo o gasto com a compra de mercadorias para venda, como gastos com fretes, impostos sobre compras (geralmente ICMS – Imposto sobre circulação de Mercadorias e Serviços), dentre outros.

Prazo Médio de Recebimento (PMR)

O Prazo Médio de Recebimento (PMR), também conhecido como Prazo Médio de Recebimento de Vendas (PMRV), é o tempo médio que a empresa leva para receber o pagamento de clientes das vendas realizadas à vista ou a prazo. Caso todas as vendas da empresa sejam recebidas à vista, por exemplo, o prazo médio será igual a zero.

O PMR pode ser obtido através da fórmula:

Ciclo Financeiro Prazo Médio de Recebimento
Ciclo Financeiro Prazo Médio de Recebimento

Onde,

DRM = Duplicatas a Receber Média. Duplicatas a receber, no Balanço Patrimonial, são os valores a receber de clientes dos produtos ou serviços vendidos a prazo. No cálculo do PMR, utilizamos a média aritmética entre o valor das duplicatas a receber inicial e o valor final, de acordo com o período analisado.
ROL =
Receita Operacional Líquida. Saiba mais sobre a ROL clicando aqui!

Prazo Médio de Pagamentos (PMP)

O Prazo Médio de Pagamentos (PMP), ou Prazo Médio de Pagamentos aos Fornecedores (PMPF), é o tempo médio que a empresa leva para pagar a seus fornecedores o preço dos produtos comprados. 

Esse indicador deve ser analisado junto com os demais, pois ele por si só pode parecer bom quando resulta em um valor baixo, embora nem sempre isso seja positivo para a empresa. 

Por exemplo, quando o PMP é muito mais baixo que o PMR, vemos que a empresa utiliza outras fontes de recursos, como empréstimos ou capital de giro, para pagar os seus fornecedores no curto prazo. 

Na maior parte das vezes, esse tipo de estratégia é prejudicial à saúde financeira do negócio, porque compromete o capital de giro reservado e gera maiores dívidas com terceiros. 

A fórmula do PMP é dada por:

Ciclo Financeiro Fórmula do PMP
Ciclo Financeiro Fórmula do PMP

Onde,

FM = Média aritmética entre o saldo da conta Fornecedores inicial e o saldo final, segundo o período analisado.
C = Mesmo termo “Compras” que aparece na equação do CMV explicada acima.

E para finalizar

Como os fornecedores não estendem o prazo de pagamento até que seja efetuado o recebimento das duplicatas, o ciclo financeiro representa essa parte do ciclo operacional em que a empresa depende de outras fontes de recursos, principalmente para continuar comprando produtos e pagando os fornecedores em dia. 

Dessa forma, quanto menor for o CF melhor é para a empresa, pois significa que esta será capaz de acumular mais caixa para manter a empresa funcionando em épocas em que as vendas diminuem.

É possível, mas raro, que o CF seja negativo. Isso acontece quando o ciclo operacional é menor que o PMP, segundo a fórmula apresentada anteriormente. Nesse caso, a empresa normalmente apresenta resultados acima do esperado e se encontra em um cenário mais que positivo.

Gostou do conteúdo?! :))

Conheça mais sobre o nosso serviço de Estruturação Financeira ou entre em contato conosco!